Seminário sobre a qualidade de vida do idoso

Seminário sobre a qualidade de vida do idoso

O MINHA OPINÃO de hoje trata do Seminário que a Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa (CIDOSO) da Câmara dos Deputados realizou, no dia 21 de outubro de 2021, para tratar da qualidade de vida das pessoas idosas; o Seminário reuniu deputados e especialistas em envelhecimento.
Os discursões giraram em torno de investimentos, políticas públicas e discriminação contra as pessoas idosas.
Segundo os organizadores do evento, ele foi realizado para comemorar o dia do idoso (1º de outubro) e os 5º aniversário da Cidoso.

Mas vamos ao que interessa.
Todos nós sabemos que a pessoa idosa vive debaixo de um falso “cobertor de igualdade” num mundo de desigualdade.
A pandemia do Covid-19, de forma muito cruel revelou a situação das pessoas idosas, a partir da violência doméstica, renda da aposentadoria, mortalidade, entre outros males que reduz não só a vida, mas a cidadania da pessoa idosa.
No Seminário Damares Alves, ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, disse que o Governo Federal está lutando para que, em seis meses, cada município tenha o Conselho Municipal da Pessoa Idosa.

Com toda boa vontade que tenho, considero essa meta impossível. Digo isso por está nessa luta há mais de 10 anos, juntamente com o Ministério Público Estadual, Conselho Estadual e outras instituições da Sociedade Civil.
O Brasil não se preparou para cuidar do envelhecimento populacional. “hoje somos mais de 30 milhões de idosos no país e em 2050 seremos 25% da população brasileira, salientou o Presidente da CIDOSO, deputado Dr. Frederico.

Segundo Ana Amélia Camarano, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), as famílias estão se formando com um “filho único e com até quatro gerações e aumento da expectativa de vida ao nascer e nas idades avançadas”.

Sabem o que isso significa? Que haverá défice de pessoas para cuidar de idosos no futuro.
E mais, redução de contribuintes para a previdência e uma avalanche de beneficiados.
Na verdade, vamos ter grandes desafios no contexto do envelhecimento no Brasil.
Um outro problema é o Ageismo, a discriminação contra as pessoas idosas e isso se manifesta através das mais diversas formas de violência.

O Estatuto do Idoso completou 18 anos, nele há o combate à violência a pessoa idosa, mas ele parece está com o motor desligado na cabeceira da pista e não levanta voo.
O Seminário tem sua importância, mas para que serve tanto discursão, se não há vontade política para trabalhar o envelhecimento brasileiro?
Esta é a MINHA OPINIÃO.
Fonte: Agência Câmara de Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *