Salvador(BA) – DPU garante na Justiça benefício assistencial a casal de idosos

Carrousel, Notícias Nacionais

Publicado por Defensoria Pública da União

Após ação ajuizada pela Defensoria Pública da União (DPU) em Salvador, M.R.S.S., 67 anos, que reside com marido também idoso, obteve o benefício assistencial de prestação continuada (BPC/LOAS) sob tutela de urgência. O benefício havia sido negado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) sob a alegação de que a renda per capita familiar da assistida era superior a 1/4 (um quarto) do salário mínimo. M.R.S.S. não exerce nenhuma atividade remunerada e não possui renda salarial mensal. Seu marido, F.A.S., 69 anos, recebe benefício de aposentadoria por tempo de contribuição, com renda mensal pouco acima de um salário mínimo. No entanto, o esposo da assistida é portador de deficiência física, distúrbios neurológicos e outras patologias, acarretando muitos gastos médicos ao casal. A assistida relata que F.A.S. necessita, inclusive, de uma cadeira de rodas para auxiliar a sua locomoção, mas não possui condições financeiras para adquirir. Além dos gastos mensais do casal com contas de água, energia elétrica e alimentação, a perícia social analisou o custo de mais de R$ 100,00 com remédios e cerca de R$ 60,00 com transporte para o deslocamento ao tratamento médico de F.A.S. Foi apontada a inconstitucionalidade do requisito para concessão do benefício assistencial que determina renda mensal inferior a 1/4 (um quarto) do salário mínimo por pessoa. Segundo a defensora pública federal Graciela Rosa Lima, “a não concessão do benefício certamente acarretará prejuízos à sobrevivência do casal”. Desse modo, requisitou a tutela de urgência, a fim de amenizar a precariedade das condições em que os idosos se encontram. Na sentença final do processo, a juíza federal Manoela Rocha, substituta da 15ª Vara Federal, alega que o esposo da assistida encontra-se em idade avançada e, conforme Estatuto do Idoso, não deve ser computado para fins de cálculo de renda per capita na concessão de benefício assistencial a outro membro da família. Dessa forma, julgou procedente o pedido, condenando o INSS a pagar o benefício mensal no valor de um salário mínimo, além das parcelas já vencidas, totalizando aproximadamente R$ 18 mil.

MML/MMO/MFB. Assessoria de Comunicação Social/Defensoria Pública da União

Deixe uma resposta