Palavra de rei não volta atrás

Carrousel, Reflexão

Entristeceu-se profundamente o rei; mas, por causa do juramento e dos que estavam com ele à mesa, não lha quis negar. Marcos 6,26 Quando o rei Dario ocupou o trono de Babilônia, nomeou Daniel como um dos seus sátrapas (governador), isso provocou ciúmes em alguns homens, que prepararam uma cilada para Daniel. Daniel costumava orar publicamente ao Deus Criador, três vezes ao dia, logo os enciumados propuseram ao rei que assinasse um decreto que proibisse se fazer “petição a qualquer deus ou a qualquer homem”, exceto ao rei durante o período de trinta dias. Aqueles que não obedecesse, tal decreto deveria ser lançado na cova dos leões. Ao saber do decreto Daniel percebeu a malicia dos seus inimigos, mesmo assim continuou com seus hábitos devocionais. Na realidade Daniel não era teimoso, nem tão pouco queria desafiar o rei, pois para ele Deus estava acima de qualquer ameaça ou proibição. Ele continuou orando publicamente, como sempre fazia. Logos os seus inimigos foram contar ao rei que Daniel não estava obedecendo o decreto real. Então o rei compreendeu que tudo não passava de uma armação para tirar Daniel de circulação já que não tinha outra possibilidade de afastá-lo do rei por deslealdade. Dario tentou salvar a pele de Daniel, mas logo foi avisado que “é lei dos medos e dos persas que nenhum interdito ou decreto que o rei sancione se pode mudar”. Isto é: “palavra de rei não volta atrás”. Isso tinha um lado bom: o povo sabia que podia confiar na palavra dos seus governantes. O governo não podia mentir para ganhar uma eleição e muito menos fazer manobra para congelar dos preços, para em seguida aumentar o preço dos alimentos. O povo aprendeu, no dia a dia, que “palavra de rei não volta atrás”. Por outro lado, uma lei mal formulada, pode trazer consequências danosas para o povo, mas deve ser cumprida. Isso faziam que os reis pensassem muito antes de emitir um decreto, mas isso nem sempre acontecia. Dario, envaidecido pela possibilidade de ser adorado como um deus, não analisou o texto do decreto e como resultado condenou Daniel a morte. Agora, um fiel servo, admirado e respeitado pelo rei, ia de ser lançado aos leões por causa de um decreto que não podia ser revogado. Mas o Deus Criador, salvou Daniel, enviando o Seu anjo para fechar a boca aos leões. Reis como Assuero e Herodes cometeram erros semelhantes. É possível que você também cometa erros parecidos, mas como você não é rei, volte atrás ao perceber que está errado. Arrependa-se.


Deixe uma resposta