O mau legado da Copa da FIFA/2014.

Carrousel

O que é ávido por lucro desonesto transtorna a sua casa, mas o que odeia o suborno, esse viverá. Prov. 15,27.

Onde está o legado da Copa do Mundo da Fifa no Brasil? Passados vários anos o que poderia ter se transformado numa oportunidade de ensinar valores e cidadania, transformou-se em viveiro de corrupção. A nação recebeu como uma cotovelada na nuca a notícia que o país gastou mais 28 bilhões de reais para sediar Copa do Mundo da FIFA/2014, segundo o Secretário Executivo e Ministro de Esporte na época.

Para um país onde falta moradia, saúde, educação, transporte e segurança entre outras necessidades o tamanho gasto levantou suspeitas e pedidos de explicação ao governo. Enquanto os governantes época diziam que estava tudo às mil maravilhas no país, o circo foi armando e milhões de brasileiros esperaram pelo pão. Embora Copa da Fifa/2014, foi real. Ela é um grande engodo.

Foi puramente um circo que maquiou a real situação do país. A Fifa lucrou num mês algo em torno de 10 bilhões e ficou isenta de paga imposto, segundo a mídia brasileira, enquanto milhões de brasileiros que receberiam em torno de 25 mil reais por ano sentiu a mordida do leão. O lucro legal é legal é, mas desonesto. Pior que a conta foi a corrupção, as propinas, os ganhos ilícitos de vários envolvidos. E nós, brasileiros, é que vamos continuar pagando a conta por muitos anos. A avidez por lucro levou o governo a conceber um evento para atender a uma “elite” como classificou uma autoridade governamental, e deixou de fora as classes menos favorecias.

O texto bíblico descreve a situação do governo que não pesa as consequências quando se trata de conseguir dinheiro. O “lucro socialmente desonesto” sempre traz complicações que refletem na qualidade de vida do povo.

A filha de um grande desportista mundial declarou que “o que tinha que ser roubado, já foi roubado” com a maior naturalidade como que a nação fosse o território de Ali Babá e nosso hino brasileiro contemplasse a frase musical: “ se gritar pega ladrão não fica um, meu irmão”. Estamos em 2019, e por onde ando neste país contemplo obras inacabadas da Copa da Fifa/2014, um real retrato do desperdício do dinheiro do povo.

Salomão declara: “O que odeia o suborno, esse viverá”. Parodiando as palavras de Salomão, digo: a nação que odeia o suborno, o roubo, a corrupção, essa prosperará. Prosperidade e vida, no sentido bíblico, é mais que acúmulo de bens e contagem de dias. É o desfrutar da paz, tranquilidade, família, bens e valores espirituais.

Vejo com tristeza o legado da Copa da Fifa/2014, e como o Brasil continua perdendo os valores nacionais, familiares, morais e religiosos nos campos da nacionalidade. Precisamos voltar a ensinar esses valores em família. Porque valores não se impõem são ensinados no dia-a-dia, no convívio, com a palavra e com exemplos.

Um governo sábio, uma nação sábia é avaliada pela coerência de suas ações e atos. A Copa do Mundo da Fifa/2014, era para ser um momento especial de formação de valores na vida dos brasileiros, mas isso só seria possível se o governo deixasse de ser “ávido por lucro desonesto” e que a nação odiasse o suborno.

Deixe uma resposta