Interdição de idoso é cassada

Interdição de idoso é cassada

Na manhã de hoje li a seguinte matéria publicada no site do Consultor Jurídico: “Desembargador faz visita a idoso em asilo para verificar necessidade de interdição”.

Confesso que tirei o chapéu para o desembargador e resolvi falar sobre o assunto. Só lembrando. Um desembargador é o juiz da Segunda Instância, ele julga os recursos referentes às decisões dos juízes da Primeira Instância.

No Rio Grande do Sul, o desembargador José Daltoe Cezar fez uma visita a uma Instituição de Longa Permanência para Idosos (ILPIs), para verificar as condições de saúde de um idoso que estava na situação de interditado.

Segundo o desembargador havia pouca documentação médica que justificasse a interdição; o idoso estar lúcido; expressou suas vontades; confessou que não tinha autorização para sair da ILPI e nem acesso ao seu advogado.

Leia o que disse o desembargador: “Compete ao juiz um comportamento dinâmico no processo, considerando que a jurisdição é uma função pública, voltada para o interesse da sociedade como um todo, não lhe cabendo atuar como mero homologador das condutas particulares”.
Parabéns, desembargador.

Após a visita o desembargador cassou a decisão a 8ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul que havia interditado o idoso, assim com determinou a devolução de seus pertences para que sua vida em sociedade seja restabelecida.
A atitude do desembargador pôs fim um ato de violência que não é raro em nossa sociedade: a posse de bens.

Muitos idosos sofrem esse tipo de violência por parte da família que devia amá-lo, mas o que acontece quando tem bens é a interdição e/ou abandono. Numa sociedade materialista as coisas amadas e as pessoas são usadas. Ainda bem que neste mês de luta contra a violência a pessoa idosa temos uma boa notícia.

FONTE: https://www.conjur.com.br/2021-jun-01/desembargador-visita-idoso-asilo-verificar-interdicao

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *