Dia Nacional de Ação de Graças

Carrousel, Idoso em Foco, Últimas Notícias

Dia Nacional de Ação de Graças
Dia de Ação de Graças: dia especialmente dedicado à gratidão. A rigor, todos os dias deveriam ser de ações de graças. Em todas as circunstâncias, em todos os momentos, deveríamos ser gratos a Deus. “Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus, em Cristo Jesus, para convosco”. I Tessalonicenses 5.18. Agradecer a Deus, entendendo que tudo lhe pertence e que providencia o melhor para nós, é sinal de amor e de obediência à Sua vontade.
A comemoração desse dia teve origem na América do Norte, com os colonos ingleses que, depois de um inverno rigoroso, sofrendo com o frio e a fome, trouxeram as primeiras colheitas para agradecer a Deus ter permitido a sua sobrevivência.
A 13 de dezembro de 1621, o Governador William Bradford criou essa comemoração em Massachussetts. A 26 de novembro de 1789, o Presidente George Washington fez uma proclamação a favor desse dia, ficando escolhida a última quinta-feira de novembro para expressar a gratidão nacional.
No ano de 1909, Joaquim Nabuco, Embaixador do Brasil nos Estados Unidos, assistiu a um Culto de Ação de Graças. Ficou tão impressionado, que declarou: “Quisera que toda a humanidade se unisse, num mesmo dia, para um universal agradecimento a Deus”.
Em 1949, foi votada no Congresso Nacional e sancionada pelo Presidente Eurico Gaspar Dutra, a Lei no 781, que instituiu no Brasil o Dia Nacional de Ação de Graças.

Dois são os fundamentos para a gratidão, nesse dia:
1. Deus é o Criador. O ser humano é criatura.
2. Tudo vem de Deus.
É a proclamação da soberania divina e da nossa dependência, como obras das Suas mãos. É o reconhecimento de que tudo o que somos e o que temos tem uma única origem: o Senhor. A gratidão que expressamos de público tem em vista, não apenas as bençãos pessoais, individuais, mas também as recebidas pelo grupo, pela coletividade.
Realmente, há muitos motivos para agradecer a Deus. Ele é tão bondoso, tão misericordioso para conosco. E nos abençoa. E supre as nossas necessidades. E nos protege. E nos guarda, a nós e aos nossos. E encaminha a solução dos problemas antes que os percebamos. E ouve as nossas súplicas. E se compadece de nós. E não olha para a nossa imperfeição. E suas bênçãos, felizmente, nem são proporcionais ao nosso merecimento. Antes, excedem e vão além do que ousaríamos pedir ou esperar.
Por isso, seja o nosso primeiro motivo de gratidão o seu amor, o seu imenso amor para conosco.
Agradecemos também, nesta hora, o dom da fé. A certeza de que, apesar de tudo de bom que não somos, Deus nos quer na Eternidade, em sua companhia. A convicção de que é possível alcançar a Vida Eterna pela graça, pela mediação de Jesus Cristo, o Seu Filho amado.
Desejamos agradecer, ainda, pelo dom da vida e pelas providências divinas para que ela seja possível: a água e o ar, o sol e a chuva, o sal. Os alimentos em forma de grãos, raízes, folhas e frutos, que a terra nos oferece. Os alimentos que os animais nos fornecem e tudo o que ingerimos e que se transforma em energia e aumenta as nossas defesas, e mantém a saúde e nos permite existir.
Agradecemos também pelas oportunidades de estudo e de trabalho, pelas nossas capacidades e habilidades, pelos nossos talentos e dons, que nos diferenciam das outras pessoas e nos fazem modelo único, exclusivo.
Mas queremos agradecer, ao mesmo tempo, pelo que nos aproxima dos outros e nos permite constituir família, formar grupos, viver em comunidade: nossos instintos, nossos sentimentos, nossas emoções.
Que bom, Senhor, que não somos completos em nós mesmo! E precisamos dos outros, do seu amor, da sua solidariedade, do calor da sua companhia, dos dons e talentos, habilidades e capacidades que os outros possuem!
Agradecemos porque não formamos ilhas, nem estamos isolados, mas há possibilidade de comunicação e de troca com o nosso semelhante.
Quando lemos sobre a criação do mundo, no Livro de Gênesis, encontramos esta expressão: “E viu Deus que era bom”… Dá idéia de que Ele estava satisfeito, de que os resultados correspondiam ao que tinha imaginado, planejado, desejado.
Agradeçamos a Deus pela criação deste mundo, tão perfeito. Nele existe o que precisamos para a manutenção da vida e muito mais: variedade nas formas, na beleza, nas cores, nos sons, nos perfumes e nos sabores. Eles revelam o amor de Deus por suas criaturas, para que a vida não lhes seja monótona e sem graça.
Ele se preocupou com os mínimos detalhes, presentes na paisagem variada e rica: montanhas e vales, lagos, rios e oceanos, céus e nuvens, sol e chuva. Presentes, também, no que o nosso olho não consegue detectar sozinho: rendas, arabescos, arte, perfeição em gotas de água, em flocos de neve, em nervuras das folhas, pétalas e sementes, asas de pássaros e insetos, teias, ninhos e tantos mais…
E estabeleceu ordem, e leis, e ciclos, que são respeitados na natureza. E que nós precisamos respeitar, também…
Tudo é tão lindo! Tudo é tão bom!
Agradeçamos a Deus com alegria, pela segurança de que Ele é o nosso refúgio e fortaleza. O Senhor, que tudo criou, está perto, está próximo, está presente, ao alcance dos seus filhos e filhas. E é por nós.
Louvemos ao Senhor, neste e em todos os dias de nossa vida, porque O Senhor é bom e a sua misericórdia dura para sempre.

Deixe uma resposta