Defensoria Pública da União garante medicamento de alto custo para idoso

Carrousel, Últimas Notícias

DPU garante medicamento de alto custo para idoso com cistite intersticial
Publicado por Defensoria Pública da União

Brasília – A Defensoria Pública da União (DPU) conseguiu na Justiça decisão liminar para que E.S.L., de 80 anos, receba o medicamento Elmiron (pentosano polissulfato de sódio). O idoso precisa do fármaco de alto custo para o tratamento de uma cistite intersticial.
Procurada pelo assistido, em junho deste ano a DPU no Amazonas ajuizou ação em face da União, do Estado do Amazonas e do município de Manaus pedindo a antecipação dos efeitos da tutela para que o medicamento fosse fornecido em caráter de urgência pela rede pública de saúde ou, subsidiariamente, pela rede privada, com ônus para o Sistema Único de Saúde (SUS). “Como os outros remédios não tiveram efeitos positivos, faz-se necessário e de forma urgente, levando em conta a idade do assistido e a gravidade da doença, a concessão do medicamento citado”, afirmou na ação o defensor público federal Pedro Emanuel Barreto de Azevedo.
O defensor solicitou, ainda, a fixação de multa diária, no caso de descumprimento, nos termos do Código de Processo Civil. No entanto, o pedido foi negado na primeira instância, sob a alegação de que o medicamento poderia ser substituído por outro e de que o Elmiron não teria registro na Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A DPU, por sua vez, interpôs agravo de instrumento contestando a decisão.
No julgamento do recurso, o juiz federal Pablo Zuniga Dourado, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), afirmou que a sentença da primeira instância não estava alinhada com os precedentes do Supremo Tribunal Federal e do TRF1 sobre a matéria. “Ainda que o tratamento ou fornecimento do medicamento esteja fora da lista do Sistema Único de Saúde, é possível o provimento judicial postulado pela parte, paciente acometido de moléstia grave. A ausência de registro pela Agência de Vigilância Sanitária – ANVISA, por si só, em casos excepcionais, desde que não se trate de experimento, tampouco constitui empecilho à entrega do fármaco ou tratamento”, destacou o magistrado.
O juiz disse ainda que foram comprovadas nos autos “a imprescindibilidade do medicamento, em comparação aos garantidos pelo SUS, bem como a existência da enfermidade alegada e a hipossuficiência do agravante”. Desta forma, em decisão proferida no dia 20 de setembro, deferiu o pedido de liminar e determinou o fornecimento imediato do Elmiron a E.S.L.

KNM/Assessoria de Comunicação Social/Defensoria Pública da União

Deixe uma resposta