Anular reajuste abusivo do plano de saúde

Carrousel, Notícias Nacionais

Anular reajuste abusivo do plano de saúde
As operadoras de Plano de Saúde podem reajustar os planos de saúde pode nas seguintes situações: anuidade, mudança de faixa etária ou/e por sinistralidade.

Reajuste anual – O reajuste anual tem base na inflação do período nos contratos. O aumento anual para acompanhar a inflação é lícito, mas, deve seguir as regras determinadas no contrato que deve ter uma periodicidade mínima de 12 (doze) meses.
O contrato é individualizado por isso há muitas regras que devem ser acordadas no ato da assinatura. No geral o reajuste anual utiliza como base a data de aniversário do plano de saúde.
Nos contratos individuais antigos, antes da lei nº 9.656/98, deve ser analisado o que o mesmo estabelece quanto ao reajuste.
O reajuste anual deve ser aplicado pelo índice pela Agencia Nacional de Saúde Suplementar/ ANS, mas algumas empresas de plano de saúde conseguiram autorização para os chamados reajustes residuais. No entender do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor /Idec o reajuste residual é ilegal e fere o Código de Defesa do Consumidor.

Reajuste por mudança de faixa etária – A ANS criou algumas regras para impedir aumentos abusivos e definiu que: “As faixas etárias para correção variam conforme a data de contratação do plano, sendo que os percentuais de variação têm que estar expressos no contrato”.
Foram criadas as seguintes faixas etárias: 0 a 17 anos / 18 a 29 anos / 30 a 39 anos / 40 a 49 anos / 50 a 59 anos / 60 a 69 anos / 70 anos ou mais. Contratos com pessoas com 60 anos e com mais de 10 anos de contrato não podem sofrer variação de faixa etária.

Reajustes por sinistralidade – O plano de saúde pode obter reajustes por sinistralidade ou por revisão técnica. Reajuste por sinistralidade é o aumento imposto pela empresa sob a alegação de que o número de procedimentos e atendimentos cobertos foi maior do que o previsto em determinado período.
Contudo, é importante ressaltar que esse tipo de reajuste. É ILEGAL, porque a ação é unilateral, não estava prevista no contrato. Já a revisão técnica é um mecanismo criado pela ANS, que o Idec entende ser ilegal, pois representa variação de preço unilateral, sem previsão contratual.

Quando acontecer aumento abusivo e/ou houver dúvidas quanto a cobertura do plano de saúde o ideal é buscar ajuda na Defensoria e/ou Ministério Público a fim de se obter um melhor entendimento dos direitos individuais na contratação do plano de saúde com o objetivo de anular o aumento abusivo.

Deixe uma resposta