Aceitando as transformações com humor

Olá. Hoje a coluna Reflexão e Vida, com o Rev. Pinho Borges, apresenta a reflexão: Aceitando as Transformações Físicas e Emocionais com Muito Humor. Olá, meus queridos idosos e idosas! Vamos falar sobre envelhecer, essa arte maravilhosa de nos transformarmos em vinhos raros – ou pelo menos em vinhos bem engraçados

VOlá. Hoje a coluna Reflexão e Vida, com o Rev. Pinho Borges, apresenta a reflexão:  Aceitando as Transformações Físicas e Emocionais com Muito Humor

Olá, meus queridos idosos e idosas!

Vamos falar sobre envelhecer, essa arte maravilhosa de nos transformarmos em vinhos raros – ou pelo menos em vinhos bem engraçados. Sabemos que, com o passar dos anos, nosso corpo e mente se metamorfoseiam. Aparecem rugas, a energia pode tirar férias permanentes, e algumas funções físicas começam a fazer greves de vez em quando. Mas, vamos lá, essas mudanças não são apenas perrengues! São as tatuagens da nossa história de vida, e aprender a rir e valorizar essas transformações é crucial.

A gratidão é o nosso superpoder secreto nesse jogo. Ela nos ajuda a focar nas coisas boas que ainda podemos fazer, como ganhar no dominó ou contar histórias épicas das décadas passadas. Praticar gratidão nos faz ver que a vida é cheia de motivos para rir, mesmo quando as juntas estalam como pipoca. Ela nos incentiva a celebrar as bênçãos diárias, sejam elas um café perfeito ou encontrar os óculos que estavam no topo da cabeça o tempo todo.

Um truque divertido é manter um diário de gratidão. Anotar diariamente as coisas pelas quais somos gratos ajuda a manter o bom humor. Podemos relembrar momentos felizes, como quando ganhamos um bingo, ou simplesmente o prazer de um dia sem ter que usar calças. Esse hábito pode transformar nossa visão sobre o envelhecimento, fazendo-nos perceber que cada ruga tem sua história hilária e cada fase da vida tem seu charme.

Aceitar as mudanças físicas significa se adaptar como um camaleão preguiçoso. Talvez seja necessário ajustar a rotina para acomodar nossas novas aventuras. Se a energia diminui, é uma boa desculpa para cochilos épicos. Se surgem limitações físicas, que tal explorar atividades mais leves? Dança na cadeira, alguém?

No campo emocional, vamos ser honestos: envelhecer vem com um monte de feels. Tristeza, nostalgia e frustração fazem parte do pacote, mas podemos dar boas risadas disso também. Conversar sobre esses sentimentos com amigos, familiares ou até com o cachorro pode ser terapêutico. Participar de grupos de apoio ou clubes de comédia para idosos pode proporcionar conforto e muitas gargalhadas.

Em resumo, aceitar as mudanças físicas e emocionais do envelhecimento é como abraçar um grande urso de pe

lúcia. Envolve valorizar nossa jornada de vida, cultivar gratidão pelas coisas boas que ainda podemos desfrutar e nos adaptar às novas circunstâncias com flexibilidade e muito bom humor. Fazendo isso, podemos transformar o envelhecimento em uma fase de crescimento contínuo, repleta de novas piadas, possibilidades e realizações épicas. Vamos lá, rir é o melhor remédio, e o envelhecimento é a nossa desculpa perfeita para usá-lo!

Você ouviu a coluna Reflexão e Vida, com o Rev. Pinho Borges, que apresentou hoje a reflexão: Aceitando as Transformações Físicas e Emocionais com Muito Humor.

Matéria produzida pelo Núcleo de Produção da Repapi para o Portal Idosonews.com  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *