A Longevidade e o Amor ao próximo

Na estrada longa da existência, onde o tempo tece fios dourados,
Caminham seres que abraçam a longevidade como um presente abençoado.
No coração da jornada, o amor ao próximo floresce,
Como um jardim em constante crescimento, onde a compaixão reverbera e aquece.

Oh, a longevidade, qual sábio tesouro guardado,
Nas páginas do tempo, um legado respeitado.
Entre rugas que contam histórias, e cabelos prateados que dançam ao vento,
A sabedoria se entrelaça com a graça, num abraço eterno e lento.

No compasso dos anos, onde o relógio tece memórias,
O amor ao próximo emerge como estrela guia, em todas as histórias.
É um elo que transcende o efêmero, um laço que não desata,
Como um rio que flui serenamente, alimentando a alma, ponto a ponto.

No crepúsculo da vida, onde o sol se despede suavemente,
O amor ao próximo é a luz que guia, inextinguível e presente.
É uma troca de sorrisos, é o calor do abraço apertado,
É a doce melodia que ressoa, mesmo quando o tempo é desafiado.

Que a longevidade seja a bênção que acaricia,
E o amor ao próximo, a essência que eterniza.
Numa sinfonia de dias que se desdobram, como pétalas ao vento,
A longevidade e o amor ao próximo, entrelaçados, formam o mais belo momento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *