A Jornada para a glória através da Ceia do Senhor

Hoje vamos meditar sobre as palavras registradas em Mateus 26, versos de 26 a 30, um trecho que nos guia através de uma das práticas mais profundas e sagradas da nossa fé: a Ceia do Senhor. .

Queridos. Hoje vamos meditar sobre as palavras registradas em Mateus 26, versos de 26 a 30, um trecho que nos guia através de uma das práticas mais profundas e sagradas da nossa fé: a Ceia do Senhor.

Nas Escrituras, os profetas frequentemente empregaram símbolos para ensinar verdades profundas, facilitando o entendimento dos fiéis. Jesus, nosso Mestre e Salvador, não fez diferente ao instituir a Ceia do Senhor. Originalmente, a Páscoa judaica servia para recordar o poderoso ato de Deus ao libertar seu povo da escravidão no Egito. Esse evento era um marco da libertação física e política.

Contudo, a Ceia do Senhor transcende a Páscoa judaica em significado e propósito. Enquanto a Páscoa celebrava a libertação do cativeiro físico sob a liderança de Moisés, a Ceia do Senhor celebra a libertação da alma sob a nova e eterna aliança estabelecida por Jesus Cristo.

Ele não veio apenas como um libertador temporal; Ele veio como o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo, oferecendo-nos uma segurança que transcende a morte física: a promessa da vida eterna.

Quando Jesus partilhou o pão, abençoando-o e dizendo aos seus discípulos, “Tomai e comei, isto é o meu corpo”, Ele estabeleceu um vínculo profundo, um símbolo de união, de comunhão entre Ele e sua igreja. O corpo de Cristo não se refere apenas a sua presença física, mas a uma comunidade unida, um corpo místico formado por todos aqueles que creem nEle.

Ao tomar o cálice, agradecendo e oferecendo aos seus, dizendo, “Isto é o meu sangue, o sangue da aliança, derramado por muitos para remissão dos pecados”, Ele instituiu um novo pacto de perdão e liberdade, libertando-nos da escravidão do pecado e da morte. A remissão de nossos pecados, simbolizada pelo seu sangue derramado, é a fundação de todas as bênçãos celestiais que nos são prometidas.

“Eis que não beberei mais deste fruto da videira, até aquele dia em que o beberei novo convosco no reino de meu Pai”, com essas palavras, Jesus aponta para a esperança futura, a celebração eterna que teremos com Ele no Reino de Deus. A Ceia do Senhor não é apenas uma memória do que foi feito, mas uma promessa do que está por vir.

Portanto, a Ceia do Senhor é mais do que um ritual; é um encontro sagrado que nos lembra da morte sacrificial de Jesus para nossa salvação, uma celebração de nossa libertação do pecado e um antegozo da glória eterna no Reino de Deus. Participando do pão e do vinho, recebemos Cristo espiritualmente, nutrindo nossa alma com sua graça e amor, enquanto esperamos pela consumação de todas as coisas.

Nesta celebração, somos chamados a lembrar, a participar e a antecipar. Lembremos o sacrifício de Cristo, participemos da comunhão com Ele e com os irmãos na fé, e antecipemos a alegria plena e a glória eterna que nos aguardam no Reino de nosso Pai. Que nossa participação na Ceia do Senhor renove nossa fé, fortaleça nossa esperança e reacenda nosso amor, enquanto caminhamos juntos na jornada para a glória.

Ministração. Rev. Pinho Borges

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *